Sábado, 5 de Maio de 2007

O 8º (e penúltimo) dia em imagens




O dia começou a bordo da carreira de autocarro que diariamente transporta gratuitamente os espectadores do torneio vindos de Lisboa. Logo à saída da A5, encontrámos pela primeira vez uma fila de carros para o parque de estacionamento do complexo desportivo do Jamor. A razão da enchente: no complexo do Estádio Nacional, além do Estoril Open, iria ter lugar durante o dia um evento religioso.



No Centralito, os assistentes de campo e o pessoal da televisão faziam os últimos preparativos antes do jogo entre Llagostera e Arn.


Uma pequena régie improvisada ao ar livre.


O jogo começou em ponto às 12h, debaixo de um céu limpo.



A espanhola Nuria, na imagem, começou bem o encontro, com uma vantagem de três jogos contra nada, logo nos primeiros minutos. Llagostera parecia estar disposta a despachar o assunto o mais rapidamente possível.



Mas a alemã Greta Arn, na imagem, não tinha pressas. Mais descontraída, reflectida e segura do que a sua adversária, Arn conseguiu dar a volta ao resultado e colocar Nuria na defensiva.



Impaciente, Llagostera começou a fazer erros em momentos essenciais e a entregar a vantagem à alemã.



Por alguma razão obscura, eu não queria realmente que Arn vencesse, mas não foi só ao resultado que a tenista alemã deu a volta - a mim também. Era impossível não admirar a calma e descontracção que mostrou ao longo do jogo, chegando mesmo a sorrir quando cometia erros.



Outra táctica inteligente de Arn: deixar qualquer dúvida ou queixa em relação às jogadas da adversária para o fim do encontro. Os ganhos de credibilidade renderam-lhe algumas decisões favoráveis da árbitra, especialmente na última fase do jogo. Na imagem, Nuria permanece junto à rede, descrente em relação a uma decisão sobre a validade da jogada anterior (em relação à qual eu próprio tive dúvidas, para ser sincero).



Nuria Llagostera nos últimos minutos do encontro, a servir para ficar em jogo.



Arn conseguiu quebrar o seu serviço e assim ganhar o jogo, apesar da claque espanhola presente no Centralito.



Arn disputa amanhã o título de campeã do Estoril Open com Victoria Azarenka, que hoje, à mesma hora, no Court Central, derrubava a favorita Lucie Safarova, por 6-4 6-0 (um resultado que revela algum desequilíbrio). Como já tinha visto estas duas tenistas jogar, resolvi apostar no encontro entre Arn e Llagostera.



Os Fingertips a actuarem no stand da RFM. Ao fundo, as torres de iluminação do Estádio Nacional do Jamor.



No Court Central, enquanto a primeira meia-final masculina não começava, o Sapo ia fazendo a animação do público, usando o já referido canhão de bolas de ténis.



Casa cheia para assistir ao embate entre Djokovic e Robredo.



O encontro dos dois tenistas entre os 10 melhores do mundo prometia ter proporções épicas, mas acabou por ser menos emocionante e contestado do que jogos anteriores faziam antever.



Eusébio entre o público presente no Court Central, para ver o sérvio "encarnado", Novak Djokovic.


O primeiro set foi a melhor parte do encontro, com algumas jogadas brilhantes de Djokovic.


Típico de Robredo, desperdiçar uma vantagem.


O primeiro set foi jogado até ao fim.


O ténis não junta só adversários desportistas. No camarote de João Lagos, Marcelo Rebelo de Sousa e Pedro Santana Lopes estavam sentados a uma cadeira de distância.


A palavra mais ouvida no decorrer de um encontro típico envolvendo Tommy Robredo: "Deuce". Sim, sou um espectador impaciente.


Desta feita, porém, a expressão "Match Point" surgiu inesperadamente mais cedo no encontro. Robredo, apesar do esforço e determinação que mostrou nos últimos encontros, estava a poucos momentos de ser eliminado às mãos de Djokovic.


Djokovic a servir para ganhar o encontro, 7-5 6-1.


Djokovic vai agora disputar o título do torneio com o francês Gasquet.



Pouco depois, davam entrada em campo o duo de franceses que, antes mesmo de decidirem entre si quem passaria à final, já tinham feito história no Estoril Open: pela primeira vez nas 18 edições do torneio, um francês chega à final.


Aos 17 minutos de jogo, todavia, os franceses fazem história novamente, ao tornarem esta meia-final a mais curta de sempre do Estoril Open. Inesperadamente, e sem que nada o fizesse prever, Mathieu troca algumas palavras com o árbitro e entra no campo do seu adversário e amigo, Richard Gasquet.




Numa questão de segundos, os dois jogadores arrumaram as suas raquetes e abandonaram juntos o Court Central, deixando para trás um público estupefacto e confuso.



Nos camarotes, a reacção foi a mesma, de espanto e desorientação.



João Lagos foi visto de imediato a alcançar o seu telemóvel.



Saberia-se mais tarde que Mathieu abandonou o encontro devido ao agravamento de uma lesão muscular na perna direita. Já no exterior do complexo de ténis do Jamor, o fim da acção nos courts coincidiu com o fim do serviço religioso realizado no Estádio Nacional.

Publicado por Pedro às 22:35
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Contribua para este blog com as suas fotografias, vídeos e histórias, através do e-mail estorilopen07@sapo.pt. E ainda, ganhe bilhetes duplos para a 18ª edição do Estoril Open.

Posts recentes

O SAPO na terra batida do...

Leilão de raquetes

A última ronda pelas notí...

O campeão que (não) veio ...

O dia da final em imagens...

Resultados da 18ª edição ...

O meu lugar na final

O dia da final em imagens...

Ainda não acabou

Djokovic campeão do Estor...

Arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Tags

1º dia

ambiente

antevisão

atmosfera

babes

blogs

cabeças-de-série

chuva

curiosidades

entrevista

estoril open

final

imagem do dia

jogo do dia

logística

notícias

organização

portugueses

resultados

resumo

sapo

social

televisão

ténis

transportes

vips

visita guiada

todas as tags

Pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds

Fundo: Fotografia de José Bóia do Estoril Open'06.